terça-feira, 31 de março de 2009

Tudo começou....

Ano passado mandei uma mensagem falando do fim de uma relação com a minha empregada, uma relação de nove anos que já estava insuportável. No largo grupo de amigas que, coitadas, receberam a mensagem, umas nem chegaram a ler o final do e-mail e já achavam que era o meu casamento que tinha terminado. Também o texto começava assim, um tanto, dramático....

Pois é....empregada é algo fundamental na minha vida. É a velha (ou será nova?) história da jornada dupla, tripla de mães, que, nem sempre, só por escolha tem de trabalhar o dia todo e adminstrar a casa pelos celulares! É fogo!.

Da minha situação desesperadora do final do ano passado para cá, falei com várias mães, troquei muita conversa e indicação sobre empregadas.

Vi que muitas vezes ficamos muito à mercê das condições que elas nos colocam. Abrimos nossa casa, damos licença à nossa intimidade. E aí?

Somos empregadoras, afinal! Estamos oferecendo um emprego, casa, comida, máquina de lavar, etc....e assim mesmo parecemos umas monstras, dondocas, umas exploradoras.

E quantas não se sentem constrangidas em cobrar um espelho quebrado, reclamar de uma mancha de água sanitária?

Bom, enfim, está o blog para trocarmos conversa, falarmos de nossas aflições nesse sentido.

Coloquei alguns links que me foram muito úteis.

Podem contribuir também.

7 comentários:

Patricia Rocha disse...

Luiza

Que boa idéia. Acho que temos muitas figurinhas para trocar para "trabalhar esta relação" e melhorar nossa qualidade de vida.
Já posso entrar com uma colaboração: tem um link que, olha que milagre, calcula INSS, férias, 13º, tudo explicadinho. Chama-se Calculo Exato. Depois mando mais coisas. Obrigada e Parabéns.
http://www.calculoexato.com.br/adel/empregDom/feriasEd/index.asp

Ana Cosenza disse...

Malu,

Ótima ideia, a sua!! As empregadas têm as "colega" da Van para tramarem contra as donapatroas, se instigarem umas às outras contra a gente, mas a gente não... ficava tentando descascar o abacaxi sozinha.
Bem, pago para a minha R$ 600,00 + quase 200,00 de passagem. Desconto o INSS que diz respeito a ela e pago o INSS sobre o salário integral. Ela trabalha de 2a a 6a feira e não dorme. Faz o serviço da casa (apto de 2 quartos) e cuida do meu filho de 7 anos, levando-o aos compromissos diários. Não temos cão! Carga horária: 9h às 19h.
Já está comigo há quase 3 anos, tem 3 filhos e esse ano, ela "me avisou" que iria chegar um pouco mais tarde, porque tinha que deixar o menor na escola. Tudo bem, pensei eu, uns 15 minutinhos de atraso não vão matar ninguém. Pois ela está chegando todo dia pelo menos 40min depois da hora. Qdo identifiquei isso e falei com ela, colocou novamente a questão do filho e de congestionamentos... e que mesmo assim estava dando conta do serviço etc.
Na verdade, como sou mãe também, fico obrigada a me sensibilizar com isso, mas por outro lado, é um abuso a pessoa fazer o horário que quer, porque afinal não tem outro jeito... Será que não tem mesmo?? Então resolvi fazer linha dura e cobrar que chegue sim no horário, afinal, não foi esse o combinado??
O problema pra mim agora é controlar o horário em que ela chega, pois não há ninguém em casa e acho que se eu ficar ligando para checar, vai acabar criando um clima ruim...
O que acham?

Bjs

Ma Luiza Ocampo disse...

Desculpe a pergunta: você tem alguma faxineira além dela? Pergunto por que está muito próximo ao que eu faço, só que a minha dorme e não tenho faxineira. O que você gasta no transporte, eu praticamente pago de acréscimo para a minha. Mas a minha casa é mínima!!!

Ana Cosenza disse...

Malu, não tenho faxineira não! Minha casa também é pequena e a área de serviço não dispõe de qto de empregada. O que, na verdade, eu usaria como dipensa ou algo assim, mesmo que tivesse, pois acho que tira a minha privacidade.

Ana disse...

Malu, dando sequência à minha necessidade atual de regular o horário em que minha empregada chega para trabalhar, passei hoje por uma situação traumática (mesmo!!). Bem, resolvi que ia sempre ligar pra casa, por volta das 9:15 e uso o artifício de sugerir algo para o almoço etc., só pra disfarçar a minha tentativa de controle. Essa é a hora em que saio da academia e sigo pro trabalho. Hoje, justinho qdo acabei de falar com ela, fui ASSALTADA!! O bandido chegou junto, pois a gente sempre fica um pouco distraída falando ao celular e tascou um: – Perdeu, perdeu, passa logo o celular!! Fiquei feliz por não ter sido nada além dessa perda material, porque na hora, o cara ficou me ameaçando com a mão na cintura, para que eu entrasse no ônibus (era um ponto de ônibus), só que o tal ônibus já estava em movimento... Foi brabo, porque ele continuou ali ao meu lado até resolver sair "andando". Fiquei com muito medo que ele simplesmente fizesse qqer coisa, por achar que eu não o estava obedecendo.
Tive que voltar em casa para telefonar, bloquear etc. e no caminho fui pensando, ainda bem nervosa: – Será que fui punida por estar regulando uma pessoa que talvez, em última análise não esteja mesmo conseguindo chegar na hora, por causa dos filhos??
Patroas, me livrem dessa culpa, OK?

Ma Luiza Ocampo disse...

Dona Ana, eu acho o seguinte: que culpa tem você? NENHUMA!!!!!!! Você é mãe, profissional exemplar e se preocupa com sua casa e com o que contrata para cuidar dela. Ligou pq é sua forma de controlar. E está mais do que certa. Você não está empregando? Não foram acordadas regras?
A culpa é do ladrão de te assaltar, de ser um bandido, ou se alguém quiser ir mais longe vai pro lado da psicologia ou dos desequilíbrios economicos e sociais.Sei lá! Nem vem ao caso agora.
Você não tem culpa de nada! Aliás, eu acho é que ela é que devia se achar na obrigação de te ligar quando chegasse no trabalho!! E isso acontece? Não. A gente se sente tão constrangida em cobrar as coisas como se fizéssemos algo errado(e não estamos) que as coisas que fazemos, sem nenhuma forma de "exercer poder por prazer", parecem erradas.

Ana disse...

Malu, você tá certa e agora chego a pensar que "ELA", a princesinha, devia me pagar um outro celular!!!
A relação de autoridade e cobrança com alguém que fica o dia todo com seu filho é uma relação delicada...acho que as patroas unidas podem ajudar umas às outras nessa busca pelo caminho das pedras que nos leve a ter uma relação realmente profissional com as domésticas!! Valeu, Malu!!

Ocorreu um erro neste gadget