quarta-feira, 1 de abril de 2009

Quanto pagas?

Se você abrir o "Boa Chance" num domingão desses, no descanso do seu lar, com certeza vai achar lá uma lista das faixas salariais para trabalhadores de nível técnico e profissional. Mas no caso da pessoa que irá trabalhar em nossa casa? Tem isso em algum lugar? Realmente eu não sei...

Sei que, no caso das diaristas, elas aumentam o valor quando aumenta a passagem, o preço do leite, do cafezinho, do pão...e por aí vai...uma coisa de louco pras patroas!

Mas se você está aí parada, nem querendo saber se paga de mais ou de menos...de repente sabe que a sua vizinha passou uma boa "cantada" na sua empregada....Epa! Bom, isso é um outro papo, patroa!

Voltando. Qual, afinal de contas, é a referência, ou as referências, para o pagamento de uma empregada doméstica? Onde que a gente acha isso?

Ano passado eu ouvia: eu pago dois salários! Dois salários? Isso eu não adoto não! Daí você vai ter sempre que aumentar conforme o aumento do mínimo. E é o mínimo estadual do RJ, né?

Bom, eu só sei que o meu salário só aumenta com reajuste anual e no sofrido dissídio da categoria! Ou no caso de PJ, numa boa negociação contratual, e olha lá!

A pergunta é: qual é a nossa referência? Tem faixa pra zona sul, zona norte, baixada? Pra quem dorme, pra quem não dorme....

Como, Patroas, estamos deixando as nossas ofertas e oportunidades de preço no mercado? Pois a verdade é que é do nosso bolso que sai esse panorama economico - Ficou até bonito isso!

Vou colocar o assunto na roda. Acho que é questão de trocar figurinhas mesmo. O que vocês acham? Qual é a nossa referência?

5 comentários:

Anônimo disse...

Oi Luiza

Vou direto ao assunto: pago R$ 800,00 para a pessoa que cuida dos meus filhos de 2ª a 6ª, dormindo, assino a carteria com o valor cheio e nao desconto o INSS dela. Alem disso pago o curso de enfermagem de R$ 80,00 mensais. A passagem sai R$ 80,00 e compro o cartao Rio Card.

Para a pessoa que cozinha e cuida da casa, o esquema é diferente pois ela trabalha 2ª e 3ª (dormindo), folga na 4ª, volta na 5ª e dorme para 6ª. Foi uma maneira de conciliar o esquema pois ela tem 3 filhos. Se fosse para ir embora todos os dias sé de passagem seria uma grana e olha que ela usa o metro mas tem onibus tb (que não é do Metrô). Para ela eu pago R$ 600,00 na carteria e desconto o INSS 8% (e pago 12%).

Pq desconto de uma e de outra não? Pois recentemente, ao invés de dar aumento, eu dei esta bonificação pois antes eu descontava os 8% dela tb.

Meu jeito de coordenar o staff é seguir sempre o que diz a lei, para não correr risco e poder dormir com a consciência tranquila. Meu discurso é sempre o mesmo: faço o que a lei manda. Outro dia me perguntaram sobre FGTS...

Adoro elas, acho que nunca tentariam alguma briga na justiça mas a gente ouve falar de tantos casos, e, principalmente, a necessidade de $obreviver pode alterar alguns parâmetros e, de repente, aquela pessoa, que vc sempre considerou, arranja um namorado que fica instigando, falando de direitos e PUM.... vc acaba se vendo numa situação desagradável.

Reajuste? Quando elas fazem aniversário lá em casa. Nada de salário mínimo. Escolho uma taxa e aplico sobre o salário. Agora estou às voltas com a regularização do INSS delas. mas isto é outra estória.

E aqui vai um brinde: uma planilha de Excel
que, unida ao gerador de guias de recolhimento do INSS, resolve as principais tarefas relacionadas aos empregados domésticos.
Para baixar a planilha, acesse o endereço http://www.info.abril.com.br/download/4439.shtml.

Enfim, este é o meu depoimento. Espero ter contribuído.

Livinha disse...

Louies,
É mesmo o caos. A minha diarista, que é até muito boa, aumentou o valor da diária para 90 reais porque subiu o salário e porque subiu o leite e porque subiu o metrô... Fiz as contas e descobri que trabalhando 4 vezes por semana, ela ganha mais do que uma professora primária que tenha nível superior. Como sou diarista-dependente não pude demiti-la, resolvi reduzir para a metade o número de diárias por mês. Ela não se importou, mas eu estou com medo de não resistir....
Lívia Lopes
www.textosdalivia.blogspot.com

Ma Luiza Ocampo disse...

Como a Dona Anonima disse, tendo duas empregadas em casa, o comparativo entre o que cada uma faz e o valor dele fica evidente. Assim, Dona Anonima faz a própria referência. Tem uma que dorme todo o dia, cuida dos filhos, a outra cozinha e cuida da casa e tem, além do final da semana, uma folga no meio da semana...
Bom, se está funcionando, é ótimo! Se assim cria uma harmonia no lar, tá legal, tá valendo. Acredito que não rolem olhares feios, raivosos uma para outra pelos cantos da casa.
Mas a casa é grande? São quantas crianças? Tem cachorro? A pergunta pode ser até engraçada, mas essas coisas podem se tornar parâmetros para quem vai ler e quer ter uma idéia do valor que quer pagar ou está pagando. Ou seja, até agora a referência gira em torno do "o que a empregada vai fazer na sua casa?" "E para quantas pessoas?" "Mas qual o tamanho da casa?"
Você disse que tem uma que cuida da casa, né? Então não tem faxineira? Ou tem? Só estou tentando criar uma referência...vamos ver se o papo continua...

Thays disse...

olha, agora eu reajusto quando há reajuste do salário mínimo de doméstica. Sinceramente, acho que o fundamental é você ter uma relação de respeito e não exploração com a empregada, pagar sempre em dia, não colocar tudo nas costas dela...
To pagando o mínimo, mas assino carteira, dou passagem sem cobrar o vale transporte, muito raramente peço para ficar sábado (em 3 anos de trabalho, talvez tenha pedido umas 3 vezes, e se ficou, dou uma gratificação), faço questão de dar férias - às vezes dou os feriados prolongados sem pedir que compense...

Enfim, talvez seja por isto que nunca perdi uma empregada por salário. Ah, e a minha nunca faltou ou me deixou na mão...

Ma Luiza Ocampo disse...

No seu caso, você reajusta com o mínimo pois ela está já há um ano na sua casa. Mas se não fosse o caso, você faria o mesmo se a empregada não completasse um ano de casa no momento do reajuste?

Ocorreu um erro neste gadget